Yolanda Bettencourt Tomé

  • capa Yolanda
  • bandeira azul1)Yolanda Bettencourt Thomé: Talvez a mais antiga imigrante por motivos políticos na Bélgica.  Ela nasceu no Brasil em 1921   e imigrou em 1964 para a Bélgica seguido eu marido belga  devidoa dificuldades que encontraram no Brasil apos o golpe militar  Ele era  líder sindical na fabrica onde trabalhava e ela  educadora popular que trabalhou com Paulo Freire em Recife. Por serem considerados “subversivos” foram demitidos  de seus trabalhos e perseguidos,  e não encontraram maneiras de se manterem .Devido a a isso migraram para Belgica  Aqui  ela  trabalhou na maior parte do tempo na” Entraide e fraternité” uma  associação católica  mantida e fundada pelos bispos Belgas ,e apoiou  em ajuda de regularização e , bolsas de estudo , moradia,  e reconhecimento de muitos dos asilados  políticos das ditaduras da America Latina . Assim como também apoiou os trabalhos no Brasil da :comissão pastoral da terra , comissão dos direitos de base,   o centro de direitos humanos de SP  entre outros, tendo apoiado  tb o trabalho de Don Helder Câmara e  outros bispos brasileiros ligados a esses movimentos. .

A Sra Yolanda foi contactada por nós e se prontificou a dar um depoimento de sua vida para o site do MeBrasil, infelizmente, o nosso depoimento nao teve tempo de acontecer pois ela veio a falecer aos 91 anos no ano de 2012 . Gostaríamos de prestar essa singela homenagem a ela contando sua historia e publicando  um dos textos que escreveu antes de sua morte.

Yolanda escreveu dois livros


A mulher no mundo de hoje
de 1967 -Sociologia-ed vozes que  faz parte do acervo da biblioteca do ciranda do livro e do arquivo do Me Brasil caso queiram conhecer um pouco a obra dela.

Crateus um povo e uma igreja em 1994 -Religião

Tristeza não tem fim, felicidade sim?

Yolanda Bettencourt Thomé (1920 Br-2012 Be)

Fico perplexa quando me perguntam: “Para você , o que é a felicidade?” Tento responder procurando nas lembranças aquilo que na vida me fez feliz,aquilo que provocou em mim,por momentos,uma emoção intensa de realização, de bem estar, de plenitude.  Arriscando-me a parecer ingênua ou piegas, ou a servir-me de chavões sempre repetidos, tiro do meu baú as recordações que iluminaram e que iluminam ainda a minha existência.

O encontro com um homem que me amou, desejou, acarinhou,cujo olhar me revelou a mim mesma e junto a quem me senti segura e confiante. A alegria de acolher amigos na nossa casa. De contar-nos à noite o que havia sido o nosso dia. De vê-lo chegar com um buquê de flores na mão. De escolher juntos um móvel ou um objeto. De jogar uma partida de scrabble. Ou de sair juntos para caminhar,de mãos dadas.

Um grande numero de amigos com quem dividi alegrias e preocupações, telefonemas, cartas e orações. Presentes ou ausentes eles estão sempre comigo,mesmo quando se foram de vez. Vivem em mim. Deram-me muito e devo-lhes grande parte do que sou hoje.

Dar um mergulho na natureza, na exuberância ou no silencio da natureza. Mergulhar numa piscina natural formada por um rio que cascateia na floresta, sobrevoado por grandes borboletas azuis. Admirar um pôr do sol à beira mar. Enfiar os pés no grande manto de neve virgem que recobre os campos. Escutar os pássaros cedinho de manha. Montar a cavalo sem rumo definido, passando por trilhas desconhecidas.

Acertar aquilo que empreendo e do que gosto: conversar, ler , escrever,compreender, lutar com outros pela justiça ou, mais prosaicamente, tricotar uma manta para um bebê que vai chegar.

Fazendo essa lista, ainda não defini aquilo que, para mim, é a felicidade…apenas fiz um rol de momentos felizes. Como fios que tecem uma trama. Mas que também por vezes se esgarçam, quebram ou se encolhem…

Porque a felicidade não é nunca uma coisa estável e definitiva, que veio para ficar.

Mesmo tendo a sorte de ter nascido num país incrivelmente belo, numa família unida, de ter encontrado gente generosa que me deu a sua amizade, de ter recebido mais do que o necessário para viver e crescer, passei ainda assim por períodos tormentosos, de cinza e nevoeiro. Planos, chatos, sem relevo, sem projeto, sem sopro interior.

Creio que a felicidade, ou antes, a capacidade de tecer uma trama coerente e colorida a partir dos acontecimentos da vida, vem de dentro de mim mesma. Saber para que vivo e sobretudo para quem. Encontrar-me naquilo que faço.

Parece-me que é uma questão de desejo e de concordância.

Se não tenho nenhum desejo, sêde de nada e nada me faz falta,se não estou tensa em direção a alguma coisa ou a alguém, não estou feliz. Corro o risco de abastar-me, de qualquer sempre mais sem nunca estar satisfeita. Voltada para mim mesma, fechada, exigente e amarga

Se não há concordância ou harmonia, isto é, se o lugar onde moro, as pessoas que me cercam, o trabalho que realizo estão no oposto do que eu sou, então é difícil encontrar-me, desabrochar aquilo que levo em mim, voltar-me para os outros, descobrir a beleza das coisas.

Gosto da imagem de Antônio Machado;”caminhante,fazes o caminho ao caminhar”. Nada é dado de antemão, tudo fica sempre por descobrir, re descobrir,re-encontrar ,re-equilibrar ,re-construir.

Carrego uma grande frustração,a de não ter tido filhos. Vivi períodos de muito sofrimento. Doenças longas e dolorosas dos sobrinhos que morreram na flor da idade. A morte me levou muitas das pessoas mais queridas:- irmão, marido, amigos. Custou tempo para me acostumar a viver só.

Mas hoje posso dizer que sou feliz,quero dizer em paz Procurando integrar na trama cada dia novos fios até o momento em que deverei parar de tecer. Descubro que cheguei a idade de abrir mão, de não querer controlar tudo nem tudo prever. Acolher o que vem do melhor modo possível.

Uma coisa no entanto amortece minha alegria: a de saber, ouvir e ver as injustiças, os sofrimentos, as guerras e a violência que laceram e despedaçam o nosso mundo. Tomo parte em manifestações de rua, assino petições, mas tudo isso e derisório face ao tamanho dos problemas. Faço-o apesar de tudo porque é o que esta a meu alcance.

Há gente agora para quem a felicidade seria um prato de comida, ou um copo de água fresca. Um teto de casa. Um sorriso ou uma mão estendida. Uma prótese para substituir a perna levada por uma mina. A segurança de um amanha sem medo. Coisas simples e essenciais que fazem cruelmente falta. Oscilo entre a consciência meio envergonhada de meus privilégios e a esperança de criar com eles espaços de paz de que andamos hoje tão precisados.

POLITICA

 

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s